quinta-feira, fevereiro 10, 2005

poema

tenho em mim uma noz
de coisa nenhuma
tenho em mim uma hipófise
de ausência
tenho em mim o resto
de não ter
tenho o que não é nem
o que há-de ser
por isso jamais sou
quando julgo ser