sexta-feira, julho 22, 2005

O Terror

O terror está aí, ao virar da esquina. A polícia inglesa baleou à queima roupa um suspeito de terrorismo numa estação do metro, em Londres. Porque é que o homem era suspeito? Porque não parou quando lho ordenaram, porque ia a correr, porque levava uma saca e porque era oriental. Foi isto que a comunicação social disse.
Infelizmente, o meu post de segunda feira passada começa a fazer demasiado sentido. Se o terrorismo são os outros, o terror está em nós próprios. Umas pálpebras exóticas ou uma tonalidade da pele podem ser suspeitas. Viver na suspeita é viver sempre nas imediações do terror. E a suspeita não se detém em características precisas. Às tantas, pode-se suspeitar de um olhar, de um subtil esgar, de um sorriso, ou até de um silêncio.