terça-feira, abril 25, 2006

Atentados terroristas

Diariamente, as agências noticiosas dão informações acerca de novos atentados normalmente perpetrados por mujahidin islâmicos. As mais recentes explosões deram-se em estâncias turísticas egípcias, nas nargens do mar vermelho e fizeram correr, como sempre, o sangue de inocentes.
Estas notícias geram profundas preocupações e uma espécie de sensação constante de ameaça. É possível que esta sensação seja mais típica no ocidente, que constrói uma paranóia securitária intensa. Tal paranóia pode ser estrategicamente favorável aos desígnios dos "senhores do mundo". Alguns discursos políticos têm a tentação de estabelecer uma diferença entre os bons e os maus e de a transferir para uma suposta diferença entre as nações boas e as nações más.
Porém, nas entrelinhas das notícias dos atentados, é possível perceber outras realidades. Podemos perguntar por exemplo quem são as principais vítimas. Façamos a pergunta e procuremos respostas objectivas.
No atentado de ontem, no Egipto, as principais vítimas foram egípcios, maioritariamente islâmicos. Aliás, li há uns meses que nove em cada dez vítimas dos atentados terroristas são islâmicos.
A conclusão disto poderia ser a de que os atentados terroristas visam objectivamente atingir o coração do islamismo e não o poder do ocidente... Conclusão que certamente não daria jeito nenhum ao Sr. Bush.